A maioria das pessoas que pensam em parasitas que podem atacar os gatinhos, acabam se lembrando dos carrapatos e pulgas. Mas, há um outro visitante bastante desagradável, com o qual, também devemos ter cuidado: o piolho de gato.

Mesmo sendo pouco conhecido entre os donos de felinos, esse parasita pode causar muito desconforto para o animal. E, em casos mais graves, acaba afetando a sua saúde. Para te explicar mais sobre o assunto, preparamos esse texto exclusivo.

Então, continue a leitura e saiba mais!

O que é piolho de gato?

Os carrapatos e pulgas, já são velhos conhecidos entre os pais de pet. Mas, o piolho de gato ainda levanta muitas dúvidas entre todos. Sendo assim, a melhor maneira de eliminar os riscos que ele pode trazer, é conhecendo-o.

Então, o primeiro passo é saber quem são. Apesar de ter o mesmo nome do parasita que ataca os humanos, especialistas afirmam que são duas espécies distintas de piolho.

Piolho de gato é o nome dado para um inseto pequeno e sugador de sangue, conhecido cientificamente como Felicola Subrostratus. Esse parasita tem seu comportamento bem diferente daqueles que atacam os humanos. Nos animais, eles permanecem imóveis, sendo fácil de notar a sua presença no pelo.

Caso você esteja preocupado se o contágio pode chegar até os humanos também, pode ficar tranquilo que essa espécie ataca somente os felinos. Sendo assim, todos os integrantes da família estão a salvo.

Contágio de piolho de gato

Quando falamos sobre o contágio, esse inseto também se comporta de um jeito bem diferente. Como ele permanece estagnado ao corpo do hospedeiro, a contaminação acontece apenas quando um pet saudável entra em contato com algum infectado. Ou seja, raramente um gato vai pegar o piolho apenas por passar em um ambiente contaminado.

Um outro ponto importante de saber, é que o parasita só se reproduz e permanece em ambientes que estejam sujos. Pelo fato dos felinos serem, em sua natureza, muito preocupados com sua higiene, uma contaminação costuma ser bem difícil.

Sendo assim, os especialistas dizem que esse tipo de problema é secundário, normalmente, agravando-se nos felinos que já têm outros problemas de saúde.

como-proteger-seu-pet-do-piolho-de-gato

Sintomas do piolho de gato

Os sintomas do piolho de gato, geralmente, são bem fáceis de perceber e não se agravam em sérios problemas ao seu bichano. Porém, se certos sintomas forem intensificados, podem indicar graves complicações.

Então, lembre-se que é preciso dar atenção à saúde do seu pet. Para ajudar a identificar a presença do parasita em seu gatinho, fizemos uma lista com alguns sintomas:

  • Falta de apetite;
  • Coceira;
  • Apatia;
  • Pontinhos brancos no pelo;
  • Manchas vermelhas;
  • Descuido com a higiene.

No entanto, lembre-se que esses sintomas são bem comuns a vários problemas de pele. Dessa forma, ao notar algum dos sintomas citados, busque um veterinário de confiança.

Diagnóstico e tratamento

Em primeiro lugar, é preciso realizar exames no pet com um profissional. Ele vai atentar-se a todos sinais clínicos, buscando os sintomas que já citamos no texto. Após isso, com a confirmação da infestação, o veterinário pode lhe passar tudo sobre os cuidados com o gatinho.

Outra questão muito importante, é conhecer bem o histórico do seu pet, para observar se há ou não a presença de doenças sistêmicas que colaboram para o surgimento de parasitas. Se, ainda assim, estiver em dúvida, o médico veterinário pode fazer uma análise em microscópio dos pelos do animal.

O tratamento para esse problema é bem simples. Remédios como antiparasitários, costumam resolver isso. Além do mais, recomenda-se higienizar o ambiente e todos os brinquedos e acessórios do gato.

Mas, o mais importante é saber a origem da debilidade do animal. Assim, o veterinário pode solicitar exames de sangue e acompanhar a saúde do peludo de perto. Com os resultados, o profissional pode explicar a maneira de eliminar o piolho de gato.

Prevenção

Uma boa qualidade de vida para seu pet, é o primeiro passo para evitar o piolho de gato e suas doenças secundárias. Atividades físicas constantes, alimentação de qualidade e bastante carinho, são importantes para a sua saúde.

Bom, agora que você já sabe tudo sobre essa doença, é hora de agir. Siga essas recomendações e, além disso, nunca deixe de contar com o acompanhamento de um profissional de confiança.

Compartilhe esse texto com seus amigos, e não deixe de acompanhar o nosso blog para ficar por dentro de tudo sobre o mundo pet!